Adepará inicia campanha contra febre aftosa em 127 municípios do Pará

No próximo dia 1º de novembro, a Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará), vai iniciar a nova etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa, desta vez, a imunização acontecerá em 127 municípios. Ao longo do ano, são realizadas cinco etapas de vacinação para que seja alcançado todo o rebanho paraense. Esta fase de vacinação ocorrerá de 1ª a 30 de novembro, e serão vacinados animais com idade até 24 meses de vida. 

A Agência ressalta que após o período de imunização do rebanho, os produtores têm até o dia 15 de dezembro para realizar a notificação junto à Agência ou via internet, pelo Sistema de Integração Agropecuária (Siapec3), disponível no site da Adepará.

De acordo com a Adepará, com uma dose de 2 ml, a vacina contra a febre aftosa deve ser administrada através da via subcutânea ou intramuscular, na região da tábua do pescoço (terço médio) do animal. Vale ressaltar que o produtor rural deve adquirir sua vacina em uma revenda cadastrada junto à Adepará, vacinar seu rebanho e posteriormente realizar a notificação da vacina portando a nota fiscal de compra e quantitativo do rebanho.

A campanha de vacinação contra febre aftosa e todas as demais ações de defesa agropecuária pretendem evitar prejuízos à produção, evitando a introdução e a disseminação de doenças. Ao final de todas as etapas do ano, da campanha no Pará, a meta é vacinar 24.436.259 animais, sendo 600 mil bubalinos.

ETAPAS DE VACINAÇÃO

Março e abril: municípios de Faro e Terra Santa – vacinação com faixa etária para todos os animais.

Maio: calendário de imunização contemplou 127 municípios –  vacinação com faixa etária para todos os animais.

Julho e agosto: novamente nos municípios de Faro e Terra Santa – vacinação para  animais até 2 anos de idade. 

Agosto e Outubro: Etapa Marajó – vacinação de animais de todas as idades

Novembro: novamente em 127 municípios – vacinação para bovinos e bubalinos com até 2 anos de idade. 

COBERTURA VACINAL

A campanha integra o Programa Nacional de Vigilância para Febre Aftosa (Pnefa), destinado a alcançar a cobertura vacinal preconizada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em bovinos e bubalinos. Além da melhoria econômica, o Pnefa exige análise dos cenários e esforços das iniciativas públicas e privadas para que, até 2026, a vacinação contra a doença seja suspensa em todo o País.

Para comprovar a vacinação é necessário apresentar, além da nota fiscal de aquisição da vacina, a relação do rebanho, com a quantidade de animais, faixa etária e espécie trabalhada. O produtor que não notificar a vacinação estará sujeito à multa, cujo valor pode variar de acordo com a quantidade de animais.

Fonte: Roma News

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui